Publicado em

Email Marketing B2B utilizando uma base de dados

Sem bases de dados não haveria email marketing. Este é já um ponto assente. O que parece não ser ainda um ponto assente é o facto de as bases de dados de empresas serem uma mais valia na hora de afinar uma estratégia de marketing B2B.

Existem já vários dados que mostram que o email marketing é das ferramentas que mais traz benefícios para uma empresa, principalmente se esta for de encontro a outras empresas. O B2B é um universo que faz sentido em apostar – dependendo do nicho da empresa, claro.

Contudo, uma estratégia de email marketing para consumidores únicos não é – nem pode ser – igual para empresas. Um consumidor único pode ser motivado a fazer uma compra através da emoção e pode, inclusivamente, fazer uma chamada “compra por impulso”. Com as empresas, tal já não acontece. Com orçamentos e timings mais apertados e contados ao milímetro, as empresas ponderam todas as opções antes de fazer uma dada compra ou antes de decidir usufruir de um serviço.

Por esta última razão, na estratégia aplicada, é importante criar uma relação que se baseie na lógica e não na emoção. Há que perceber qual a razão ou a necessidade que leva uma dada empresa a fazer uma compra ou a procurar um serviço.

Para aplicar uma estratégia de email marketing B2B há que gerar conteúdo com base em factores como o tempo, o dinheiro e os recursos que uma empresa esteja disposta a gastar pelo produto ou serviço que se está a promover.

Os benefícios são reais quando se fala em email marketing para empresas pelo simples facto de as empresas estarem ligadas ao email de forma constante. Muitos dos colaboradores têm o email da empresa no smartphone, o que lhes permite tratar de negócios mesmo não estando na empresa. E essa é uma vantagem do email marketing. Se o email que se enviar for apelativo, esse irá ser aberto (quase) garantidamente.

Campanhas de email marketing podem ter resultados bastante positivos com baixos custos

Estratégia de email marketing B2B

  • Listas de email

Esta é uma das formas de trabalhar uma base de dados para email marketing. Ao definir listas de contactos consoante o objectivo da campanha é possível direcionar um dado e-mail para uma audiência específica. Quando esta segmentação é “spot-on”, a campanha tem muito mais probabilidade de resultar e de converter.

  • Segmentação

E por falar em segmentação… Este é um dos pontos mais valiosos seja para que meio se utilize para divulgar uma dada informação ou campanha.  Ao definir um público-alvo específico para uma dada campanha, torna-se possível chegar a pessoas – e empresas, neste caso – que poderão facilmente converter-se em novos clientes. Mas não só. Através da segmentação é possível apontar uma ação de marketing para pessoas ou empresas que já são regulares e com os quais se quer continuar a relacionar.

É através da segmentação que ações de marketing podem ter mais resultados positivos com menores custos.

 

  • Manter uma conversa

Numa era com cada vez mais publicidade online, e na qual se inclui o email marketing, a personalização de um serviço torna-se imperativa para que um dado cliente se sinta próximo da empresa. É neste ponto que se torna importante manter uma conversa com uma pessoa ou empresa que comprou o produto ou usufruiu de o serviço em questão.

Não se trata de manter uma conversa sem qualquer tipo de utilidade apenas para manter contacto com aquela pessoa ou empresa. Trata-se de se mostrar interessado e agradecido pelo facto de aquele cliente ter efectuado uma compra, subscrito a newsletter, entre outros. Acima de tudo, é mostrar ao cliente que ele importa e que a opinião dele acerca daquele produto ou serviço importa de igual forma.

 

  • Cuidar a base de dados

Cuidar da relação que se têm com clientes é tão ou mais importante que criá-la. Isto é, é importante cativar novos clientes, mas mantê-los e fazer deles clientes regulares é igualmente relevante. Estas campanhas de email marketing com o objectivo de cuidar da base de dados podem aparecer em várias formas e a maior parte das pessoas já se deparou com um e-mail do género na sua caixa. Desde e-mails apenas a agradecer a promoções exclusivas a subscritores ou até a providenciar informações detalhadas de como usufruir de um produto ou serviço a 100%.

São estas campanhas que fazem com que clientes mais antigos – e novos – se mantenha fiéis à empresa a quem compraram um produto ou serviço.

Publicado em

Base de dados para marketing – Qual a importância?

Que o email marketing tem um elevado retorno quando comparado com outros meios de publicidade, já não existem dúvidas. A utilização de uma qualquer base de dados para marketing é a verdadeira razão para que esse meio publicitário tenha o benefício que tem – principalmente se falamos em marketing B2B.

No mundo dos negócios – tanto entre empresas como de marca para consumidor singular -, o relacionamento que se mantém com clientes e possíveis clientes poderá determinar se esses se irão manter por muitos e bons anos ou se se irão embora na hora em que conhecem a marca ou empresa. Nos dias que correm, esta relação não passa apenas por mostrar a existência da empresa para com os consumidores, mas sim pela persoanlização do serviço que essa presta aos clientes.

Com a quantidade mosntruosa de publicidade – e de publicidade através do email -, difícil é conseguir destacar-se. É aí que a personalização entra. Ao criar uma relação e ao providenciar um serviço personalizado é possível gerar mais confiança nos consumidores que, por sua vez, geram mais vendas.

O que é que utilizar uma base de dados tem a ver com um serviço personalizado? Tudo! Só é possível personalizar um serviço se se conhecer as pessoas que querem esse serviço.

 

 

A importânica de uma base de dados para Marketing

As equipas de marketing actuais sabem que explorar uma base de dados vai permitir-lhes avançar com campanhas de email marketing que, com certeza, lhes trarão muito mais benefícios do que se o fizessem indiscriminadamente.

Contudo, não basta explorar uma base de dados. Há que saber o que fazer com ela antes de anvaçar com alguma estratégia. Só assim se podem delinear campanhas com menos custos e que tenham o maior beneficio.

Quais são, então, as possibilidades ao explorar uma base de dados?

1 – Selecionar dados que importam

Nem todos os dados são essenciais para delinear uma estratégia. Há que procurar quais os dados que mais fazem sentido utilizar tendo em conta a campanha personalizada e dependendo do objectivo que se queira alcançar com ela.

Para facilitar o trabalho na procura de dados essenciais para uma dada campanha, há que manter uma base limpa. Isto é, sem emails desactualizados e sem quaisquer outros erros que podem dificultar a tarefa. É claro que, ao comprar uma base de dados este trabalho de limpeza e actualização de base de dados já irá estar feito – que, por sua vez, é a parte mais morosa para quem está a trabalhar um banco de dados.

pessoa analisar base de dados

2 – Segmentação

A palavra mais utilizada e, possivelmente, um dos mandamentos mais importantes no marketing. A segmentação é essencial para conseguir dar tiros certeiros e, posteriormente, conseguir alcançar mais vendas. Através da segmentação consegue-se aplicar uma dada campanha a um determinado consumidor que tenha tido um comportamento que se ajuste com o objectivo final. Se existe uma pessoa ou empresa que já é cliente habitual, porque não oferecer-lhe uma recompensa?

Ao oferecer-lhe algo em troca de ter pago por um dado produto ou serviço, está já a falar-se do ponto seguinte: fidelização.

 

3 – Fidelização do cliente

Ao perceber quem são as pessoas que já compraram ou que estão possivelmente interessadas em comprar um produto ou usufruir de um serviço, torna-se fácil compreender o seu comportamento que têm e qual será a forma de as motivar a voltar a fazer uma compra. As promoções exclusivas, as ofertas especiais, a oferta de informações às quais só têm acesso através de um meio específico – neste caso, através do email.

 

4 – Próximos passos

Ao analisar de forma detalhada a base de dados podemos avaliar facilmente se uma dada estratégia pode ou não funcionar no futuro, de acordo com a experiência passada e de antecipando tendências.

 

Publicado em

Lista de emails para empresas portuguesas

Adquirir uma lista de emails de empresas portuguesas pode ser um salva-vidas na hora de dar a conhecer o seu negócio a outras empresas. As bases de dados, quando bem trabalhadas, têm todo o potencial para fazer uma capanha resultar.

Actualmente, são poucas as empresas que não trabalham com bases de dados, principalmente se querem divulgar os seus produtos e serviços e tornar-se mais relevantes para outras empresas. No marketing B2B, o email é dos meios que converte melhor – particularmente, se este for comparado, por exemplo, com as redes sociais. Se se pensar realmente neste assunto, a esmagadora maioria das pessoas abre o email diariamente.

E é aqui que se encontra a maior dificuldade. Se, pessoalmente, alguém abre o email uma mão cheia de vezes, profissionalmente, os emails chegam às centenas. No segundo caso pode tornar-se mais difícil fazer passar uma mensagem sem que ela se perca no oceano de emails prioritários na caixa de um qualquer colaborador – especialmente se este estiver numa posição de tomada de decisões. De forma regular, se se estiver a gerir um negócio B2B, são exactamente estas pessoas com quem se irá querer falar.

Em ambas as situações – de marketing B2C e B2B – trabalhar uma lista de emails da melhor forma possível é essencial para se alcançar um qualquer objectivo. Contudo, em B2B, os clientes serão mais racionais e, por isso, há que ter uma estratégia diferente da que se cria para B2C. Se o objectivo da campanha for afirmar-se perante outras empresas portuguesas, a campanha poder ser absolutamente bem sucedida.

 

Trabalhar uma lista de emails poder ser essencial para um negócio

 Trabalhar uma lista de emails de empresas portuguesas tem um grande potencial

Menor Custo

O custo de uma campanha de email marketing poderá sair mais barato do que uma outra campanha de outros meios. Este facto nota-se ainda mais quando se avalia a relação custo-benefício de uma campanha neste meio. Quando bem feita e bem segmentada, esta poderá ter uma boa taxa de abertura e, mais tarde, de conversão.

O investimento feito para uma campanha do género é facilmente superado, dados dos resultados positivos que se poderá ter – mesmo que signifique recuperar o investimento feito a comprar uma base de dados.

 

Maior conversão

Tal como já foi dito nos parágrafos introdutórios, são rarissimas as pessoas que não utilizam email no trabalho. A maior dificuldade será fazer com que um email não se perca temdo em conta a quantidade de emails que qualquer colaborador recebe de forma diaria.

Para empresas que se querem afimar no mercado português, uma lista de emails segmentada pode ser uma solução. Desta forma é possível contactar outras empresas a nível nacional e que estas se tornem em clientes.

 

Posicionamento da empresa

Para apresentar uma empresa a outras empresas, um dos melhores métodos é o email marketing. Qualquer que seja o negócio, este pode ter impacto na vida de outras empresas. Muitas desta precisam de trabalhar em conjunto com outra empresa para que ambas alcancem os seus próprios objectivos: seja a nível de consultoria, de fornecedores, entre outras formas.

A lista de emails é uma mais valia quanto ao aspecto divulgação. Neste caso, o email é o meio para espalhar a palavra sobre os produtos ou serviços que uma outra empresa pode precisar.

Precisar é mesmo a palavra certa quando se toca no assunto marketing B2B. O caso é que, tratando-se de empresas, os possíveis clientes já têm em mente quais os produtos ou serviços de que estão a precisar. Não segmentar uma lista de emails poderá traduzir-se num desastre a nível de conversão e até de reputação.

 

Uma lista de emails de empresas nacionais pode constituir uma vantagem da hora de divulgar um negócio a outras empresas e posicionar-se perante as mesmas a nível nacional. Para além do mais, as estratégias de marketing B2B têm mais probabilidade de funcionar através de email do que em qualquer outro meio. A razão é simples: empresas trabalham com email!